DaimlerChrysler demitirá 20% dos funcionários administrativos

O grupo DaimlerChrysler cortará em 20% dos funcionários administrativos nos próximos três anos, assim como os custos deste setor deverão ser reduzidos em US$ 1,845 bilhão ao ano, anunciou hoje a empresa. A fim de melhorar a competitividade e conseguir maiores lucros, a DaimlerChrysler também reduzirá o número de membros da cúpula diretora dos atuais 12 para nove.A DaimlerChrysler pretende consolidar e integrar todas as funções administrativas, como finanças e controle, pessoal e estratégia, que serão centralizadas na nova sede de Untertürkheim, em vez de Moehrigen (ambas em Stuttgart), e em Auburn Hill (Detroit-EUA). A companhia alemã-americana também quer reduzir as duplicidades em nível operacional e no consórcio para simplificar o funcionamento cotidiano da empresa.ReestruturaçãoDieter Zetsche é desde 1º de janeiro presidente de todo o grupo, após assumir a direção do Mercedes Car Group no segundo semestre do ano passado. Por sua parte, Bodo Uebber será o principal responsável da área de finanças e controle, assim como dos serviços financeiros da DaimlerChrysler, e Rüdiger Grube estará à frente da área de Desenvolvimento e Tecnologia da Informação e da participação no consórcio aeronáutico europeu EADS.A divisão de veículos industriais continuará dirigida por Andreas Renschler e passará a chamar-se Truck Group, enquanto a fabricação de ônibus e caminhonetes se concentrará em outro segmento. Os efeitos líquidos destas medidas, que serão aplicadas nos próximos três anos, supõem uma redução dos custos de US$ 1,23 bilhão a cada ano. Com este programa de austeridade, serão eliminados 6 mil empregos nos próximos três anos, 20% das 30 mil pessoas que integram atualmente o corpo administrativo no mundo todo. Os custos destas medidas de economia chegarão, entre 2006 e 2008, a um total de US$ 2,46 bilhões.FordOntem, a montadora de veículos Ford informou que demitirá de 25 mil a 30 mil funcionários na América do Norte nos próximos seis anos. A companhia afirma que a medida faz parte de uma profunda reestruturação em suas atividades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.