Danilovich defende flexibilização de EUA e Mercosul para criação da Alca

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, John Danilovich, defendeu nesta terça-feira a flexibilização das posições dos Estados Unidos e do Mercosul no processo de negociação para a criação da Área de Livre Comércio (Alca). Segundo ele, a discussão não pode ficar polarizada entre o Mercosul e os Estados Unidos. "As negociações são difíceis principalmente na área agrícola, mas Mercosul e Estados Unidos precisam trabalhar juntos nas negociações e flexibilizarem seus objetivos", disse após se reunir com o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues."Temos a discussão sobre os subsídios agrícolas, do lado brasileiro, e de compras governamentais e propriedade intelectual, por parte dos Estados Unidos. São temas importantes mas também temos outras questões", afirmou. "Não podemos isolar estes temas. Tem que fazer parte de um pacote".Ele disse que a Alca passou "por um período de dormência" mas que agora é preciso focar num calendário para avançar nos interesses dos 34 países envolvidos. O embaixador afirmou que evoluir nas negociações da Alca é uma das prioridades do segundo mandato do presidente George W. Bush. Danilovich disse que não vê problemas de o Mercosul negociar acordos bilaterais de livre comércio com outros países, como o Canadá.Danilovich entende que essas discussões bilaterais "não são contraproducentes" para o processo de formação da Alca mas lembrou que, em última instância, o objetivo é estabelecer uma área de livre comércio no hemisfério. "A idéia é estabelecer uma Alca unida e uma organização forte para a área de livre comércio", afirmou.Ainda segundo o embaixador, entre 14 e 18 de março, haverá uma reunião, em Washington, do Comitê Consultivo da Agricultura, integrado pelos Ministérios da Agricultura dos dois países. O comitê foi criado para tentar avançar nas negociações comerciais agrícolas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.