Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Das obras para a indústria

Montadora contrata trabalhadores que atuaram na construção de polo automotivo

Cleide Silva, enviada especial, O Estado de S. Paulo

12 de abril de 2015 | 05h00

GOIANA (PE)- Dos 4,5 mil funcionários contratados atualmente pelo Polo Automotivo Jeep, 1,8 mil são trabalhadores da Fiat. Os demais são dos 16 fornecedores que estão instalados no mesmo terreno.

Alguns dos selecionados pela montadora são operários que trabalharam na obra que, ao todo, chegou a ter 10 mil pessoas em seu pico.

José Marcos Vicente Ferreira Junior, de 22 anos, fez parte da equipe que atuou na terraplenagem do terreno, em 2012. “Foi meu primeiro emprego com carteira fichada”, diz. Desde os 11 anos ele ajudava o pai, que era gari, fazendo bicos em padarias, mercadinhos e como frentista.

Depois da obra, tentou vários empregos, como motoboy e vendedor de uma loja de roupas, mas nenhum deu certo. “Achava que eu não tinha capacidade para trabalhar numa empresa desse porte”, conta Ferreira, que tem o segundo grau completo.

Agora, com emprego fixo na área de prensa, ele está construindo uma casa de dois cômodos para morar com a mulher em Goiana.

Após um ano desempregada, Nilma de Souza Calixto, de 35 anos, conseguiu uma vaga, há dois meses, no setor de motores. “Sou a única mulher, num grupo de 17 pessoas, que trabalha nessa área”, informa. “Meu líder fez questão de uma mulher por considerar que somos mais detalhistas.”

Nilma mora em Olinda com o marido, que é pedreiro, e dois filhos de 14 e 17 anos. “Eles voltaram a ter plano de saúde”, comemora a operária ao falar dos benefícios de estar “em uma das maiores empresas do mundo, que produz veículos de última geração”.


A Fiat Chrysler é uma das raras montadoras a contratar pessoal atualmente. Só em março o setor demitiu 1.466 trabalhadores. No ano, foram 3.650 vagas fechadas diante da queda de 16,2% na produção de veículos no primeiro trimestre ante igual período de 2014.

Além da Fiat Chrysler, devem ser inauguradas neste ano a fábrica da Honda em Itirapina (SP) e a unidade de produção da Audi em São José dos Pinhais (PR), no complexo da Volkswagen. Para 2016, estão previstas as fábricas da Mercedes-Benz em Iracemápolis (SP), da Land Rover em Itatiaia (RJ) e da JAC Motors em Camaçari (BA).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.