Davos ataca intervenção do Fed

Um painel interativo realizado no Fórum Econômico Mundial, na manhã de ontem, e envolvendo diversas personalidades avaliou o papel dos presidentes de bancos centrais, ao questionar se eles teriam perdido tanto o foco quanto o controle da governança econômica. Depois de um acirrado debate, 59% dos participantes, incluindo a platéia, responderam que sim, os bancos centrais perderam foco e controle, contra 41% que optaram pelo não.Essa votação foi em linha com o ceticismo ou crítica com que boa parte dos economistas reunidos em Davos recebeu o corte de 0,75 ponto porcentual na taxa básica dos Estados Unidos, realizado pelo Fed (banco central americano) na terça-feira. Para muitos, o corte deu a impressão de que a principal preocupação do Fed é salvar participantes do mercado financeiro em dificuldade. Segundo Stephen Roach, do Morgan Stanley, a decisão do Fed foi "uma forma perigosa, desregrada e irresponsável de gerir a economia mundial".As principais conclusões do debate indicaram que, com a economia global na sua pior crise em muitas décadas, os principais bancos centrais do mundo e as grandes instituições multilaterais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial, não estão mais no comando da situação, e têm apresentado desempenho muito aquém do esperado. Por outro lado, atores nebulosos e quase desconhecidos do grande público, como os fundos soberanos de investimentos de países exportadores de petróleo e da Ásia, tornaram-se os novos ?powerbrokers? (?corretores do poder?) globais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.