DAVOS-China defende Doha como estímulo econômico global

A China defendeu na sexta-feiraque a Rodada de Doha seja concluída com sucesso neste ano, demodo a blindar a economia mundial das dificuldades enfrentadaspor muitos países. Yi Xiaozhun, vice-ministro chinês de Comércio, disse àReuters que a economia mundial está muito instável e quegrandes países estão em dificuldades. "A melhor resposta da comunidade internacional é resolveresta Rodada de Doha para proteger a situação saudável daeconomia mundial e lutar contra o protecionismo", disse ele. Yi admitiu que isso não será fácil, e afirmou que asnegociações, iniciadas em 2001 visando reduzir as barreirascomerciais globais, seriam retardadas em vários anos se nãoforem concluídas em 2008. "Seria um golpe duríssimo à economia mundial", disse Yi,que participa em Davos da reunião anual do Fórum EconômicoMundial. O vice-ministro pediu que os 151 membros da OrganizaçãoMundial do Comércio (OMC) façam de tudo para conseguir avançosnos próximos meses, embora admita que as dificuldadeseconômicas e os períodos eleitorais em grandes países impedemqualquer otimismo. Yi não citou nomes, mas os Estados Unidos têm eleiçõespresidenciais em 4 de novembro, e a Índia realiza eleiçõesgerais em 2009. Como segundo maior exportador e terceiro maior importadormundial, a China tem grande interesse na reforma do sistemacomercial global. Na opinião dele, a China é o maior alvo do protecionismo,especialmente nos países desenvolvidos, e por isso ele esperaque a Rodada de Doha resulte em regras mais transparentes ejustas para restrições anti-dumping e outras barreiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.