De carona com NY, Bovespa sobe e volta ao azul em 2008

Expectativa de alta do jurodoméstico, queda das ações da Petrobras e notíciasdesanimadoras da economia dos Estados Unidos. Essa incômodacombinação não foi páreo para a predominância compradora naBolsa de Valores de São Paulo, que fechou com forte alta nestaquarta-feira. O Ibovespa teve valorização de 2,45 por cento, chegando aos64.151 pontos e voltando ao azul no acumulado do ano. O girofinanceiro foi turbinado pelo vencimento dos contratos deopções sobre índice, na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F),e chegou a 11,1 bilhões de reais, o segundo maior em 2008. Para especialistas, o movimento de alta resultou dainfluência positiva das bolsas norte-americanas, que reagiram àdivulgação de resultados corporativos com números melhores doque as expectativas do mercado. Na Bolsa de Nova York, o índiceDow Jones avançou 2,1 por cento. Diante disso, os investidores deram de ombros para oconteúdo do Livro Bege, sumário macroeconômico dos EstadosUnidos divulgado nesta quarta-feira pelo Federal Reserve. Odocumento apontou que as condições da economia americana seenfraqueceram entre março e abril, sob os efeitos da crise decrédito. O mercado preferiu balizar os negócios a partir dosresultados de grandes corporações, como JP Morgan, Wells Fargo,Intel e Coca-Cola, cujos números positivos apagaram em parte otemor criado com o balanço da General Electric, na semanapassada, cujos resultados do primeiro trimestre foramnegativamente afetados pela desaceleração nos Estados Unidos. "O pessoal está usando mais os dados corporativos do que osda macroeconomia", disse Luiz Roberto Monteiro, assessor deinvestimentos da corretora Souza Barros. Segundo ele, aelevação da Selic, na reunião desta quarta-feira do Comitê dePolítica Monetária (Copom) é dada como certa e já está embutidano preço dos papéis. Na bolsa paulista, as ordens de compra se concentraram nasações de siderúrgicas e de bancos. As ações ordinárias daCompanhia Siderúrgica Nacional deram um salto de 5,86 porcento, a 71,40 reais, enquanto as preferenciais da Usiminastiveram ganho de 6,4 por cento, a 112,50 reais. As companhias foram alvo de um relatório do banco GoldmanSachs, que recomendou compra dos papéis de ambas, a partir doreajuste nos preços do aço no Brasil. O movimento ainda foi reforçado pelo setor financeiro, sobliderança das ações ordinárias do Banco do Brasil, comincremento de 6,94 por cento, a 24,35 reais. Remando contra a maré, os papéis preferenciais da Petobrascaíram 0,64 por cento, a 83,40 reais. As ações foram atingidaspor realização de lucros após duas sessões de forte alta depoiso diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP), HaroldoLima, ter dito na segunda-feira que a companhia tem uma reservagigantesca de petróleo na Bacia de Santos. (Edição de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.