Tenda
Tenda

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

De olho em habitação popular, Tenda aposta suas fichas em casas de madeira

Construídas em uma fábrica para depois serem transportadas para um terreno, as residências devem começar a ser testadas em 2021, com lançamento previsto para 2022; foco do projeto é o Programa Casa Verde e Amarela

Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2020 | 05h00

A Tenda, uma das maiores construtoras de habitações populares do País, está apostando suas fichas nas casas de madeira pré-fabricadas. A empresa está desenvolvendo um modelo de construção em que os componentes dos imóveis são produzidos em uma fábrica e, depois, transportados para os canteiros de obra para montagem e acabamento.

As primeiras unidades foram erguidas neste ano, em um projeto piloto. O plano agora é testar a viabilidade comercial do novo modelo ao longo de 2021 e, se tudo der certo, fazer o lançamento oficial em 2022. “Apostamos que essa será a grande plataforma de geração de valor para a companhia no longo prazo”, disse o presidente da Tenda, Rodrigo Osmo, em reunião com investidores e analistas.

Hoje, a Tenda constrói seus empreendimentos usando formas de alumínio preenchidas com concreto, modelo que ganhou escala no setor nos últimos anos. Isso substituiu a alvenaria comum, que evoluía tijolo a tijolo. O modelo proposto agora pela empresa se baseia em peças pré-fabricadas de madeira.

A técnica, que em inglês é denominada woodframe, é comum em países como Canadá, Estados Unidos e Alemanha, mas é bem pouco explorada no Brasil. A principal referência é a paranaense Tecverde, startup que já entregou cerca de 5 mil unidades, incluindo prédios de quatro andares.

A nova divisão da Tenda será gerida como uma startup, disse Osmo, e vai exigir investimentos antes de dar lucro. Até aqui, foram aportados R$ 20 milhões no projeto. A empresa também anunciou a entrada de Marcelo Willer, ex-presidente da Alphaville Urbanismo, como investidor minoritário no segmento.

A perspectiva da Tenda é que a industrialização das obras vai gerar produtividade suficiente para o modelo ser aplicado em cidades do interior onde a empresa ainda não está presente por causa dos custos.

No longo prazo, a previsão da Tenda é de atingir 60 mil unidades nesse modelo, um salto para os padrões da Tenda, que em todo o ano passado produziu 18 mil unidades no sistema construtivo convencional. A economia nos custos deve ajudar a empresa a alcançar mais clientes dentro do Programa Casa Verde e Amarela (novo nome do Minha Casa Minha Vida).

Entre analistas, o projeto é visto como uma via de crescimento para a Tenda no longo prazo e uma oportunidade de se extrair lucro a partir de uma inovação que não é vista em muitas outras empresas. “No longo prazo, esperamos ver avanços na construção industrializada. O ganho de escala poderá aumentar a geração de valor”, disse Kamila Oliveira, analista do BB Investimentos

Fundador e presidente do Centro de Tecnologia em Edificações (CET), Roberto Souza vê a chegada da tecnologia ao Brasil com entusiasmo. Segundo ele, o tempo de construção pode cair pela metade. Além disso, é uma opção mais sustentável, pois usa madeira de reflorestamento. “As edificações atendem normas de conforto térmico e acústico, resistência a incêndio e segurança estrutural.” 

Segundo ele, as casas de madeira não caíram no gosto do brasileiro antes por falta de incentivo. “Não tinha financiamento bancário nem normas técnicas. Foi preciso desenvolver o ambiente de negócios para gerar interesse de construtoras.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.