De olho em Wall Street, dólar fecha em queda de 0,23%

O dólar devolveu parte da alta dosúltimos dois dias e fechou em leve baixa nesta terça-feira,após passar o dia acompanhando a movimentação nas bolsas devalores em Nova York. A moeda norte-americana recuou 0,23 por cento, para 1,761real. No mês, a baixa acumulada é de 0,90 por cento. O mercado de câmbio começou o dia influenciado pelo bomhumor nos Estados Unidos. Sem notícias negativas relevantes, osinvestidores aproveitaram os preços baixos das ações após asrecentes quedas e impulsionaram o mercado. Mais tarde, porém, o clima virou com rumores sobre umpossível pedido de proteção contra falência da Countrywide,maior concessora de hipotecas dos Estados Unidos. O dólar, quena mínima se aproximou de 1,750 real, passou a apontar paracima e eliminou quase toda a queda acumulada na sessão. "Nós estamos respirando o mercado americano", disse JúlioCésar Vogeler, operador de câmbio da corretora Didier Levy. "Omercado em geral está olhando lá para fora. O dólar vai ficarum pouco indefinido enquanto tiver esse perigo de recessão nosEstados Unidos", acrescentou. Logo após o fechamento do mercado de câmbio, a Countrywidenegou os rumores que até então derrubavam suas ações em mais de20 por cento. A empresa está entre as mais afetadas pela criseno crédito de alto risco (subprime) nos Estados Unidos, uma dasresponsáveis pela desaceleração da maior economia do mundo. No final da sessão, o Banco Central realizou um leilão decompra de dólares no mercado, mas a operação teve pouco efeitosobre a taxa de câmbio. A autoridade monetária definiu corte a1,7575 real e aceitou, segundo operadores, uma proposta. (Reportagem de Silvio Cascione; Edição de AlexandreCaverni)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.