De olho no exterior, dólar sofre ajuste e vai a R$1,575

O dólar chegou a subir quase 1 porcento diante do real nesta terça-feira, aproveitando avalorização global da moeda norte-americana para realizarajustes em meio à queda do preço das matérias-primas. No final do dia, a divisa encerrou a 1,575 real, com umavalorização de 0,77 por cento. A alta foi definida logo no começo da sessão, quando abaixa do preço de commodities --como o petróleo-- e a elevaçãodo dólar diante de outras moedas provocou ajustes no mercadobrasileiro, que atuava há vários dias em um patamar abaixo damédia. Nas últimas sessões, o dólar rondava 1,56 real, menorpatamar desde janeiro de 1999. "Hoje o mercado de câmbio está com um volume de demandaacima do normal", escreveu Sidnei Nehme, diretor-executivo daNGO Corretora, em relatório. Mas "no nosso entender o viés dodólar ainda permanece de queda". Entre os ajustes realizados, os investidores estrangeirostêm reduzido a posição vendida em derivativos cambiais na Bolsade Mercadorias & Futuros (BM&F) --o que equivale, na prática, auma aposta menor na queda do dólar. No fechamento de segunda-feira, eles exibiam 4,6 bilhões dedólares em posições vendidas em dólares, contra 7,6 bilhões dedólares no final do mês passado. Após o impulso inicial desta manhã, o dólar se estabilizouacima de 1,57 real à espera da reunião sobre o juro dos EstadosUnidos. O Federal Reserve manteve a taxa em 2 por cento, comoesperado, e não provocou grandes mudanças no fim do pregão. Nos últimos minutos de negócios o Banco Central realizou umleilão de compra de dólares no mercado à vista. Foram aceitasduas das propostas divulgadas, segundo um operador, com taxa decorte de 1,5742 real.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.