De onde vem o pessimismo crescente dos empresários

Executivos de empresas brasileiras ouvidos na pesquisa Panorama Global de Negócios, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Duke University e CFO Magazine, estão cada vez menos otimistas em relação à economia brasileira, mostrou reportagem do Estado ontem. A pesquisa soma-se a outras recentes, realizadas pela própria FGV e pela Federação do Comércio (Fecomércio-SP), indicando que os temores empresariais podem pôr em risco a disposição de ampliar os investimentos.

O Estado de S.Paulo

20 de março de 2014 | 02h03

Numa escala de 0 a 100, o otimismo com a economia brasileira, segundo o Panorama de Negócios, caiu de 63,5 pontos, em março do ano passado, para 53,3 pontos, em dezembro e, agora, para 52,6 pontos. Os executivos brasileiros estão entre os menos otimistas do mundo, muito abaixo dos norte-americanos (60 pontos), dos latino-americanos em geral (59,2 pontos) e dos europeus (58,5 pontos).

O Brasil puxou para baixo a média latino-americana de otimismo: no Peru, o otimismo atingiu 69,8 pontos e, no Chile, 66,2 pontos. Um dos responsáveis pela pesquisa, Klenio Barbosa, da FGV, acredita que isso "seja motivado por fatores internos e não externos", afirmou ao repórter Luiz Guilherme Gerbelli, do Estado.

Entre o último trimestre de 2013 e o primeiro de 2014 (até agora), caiu de 43% para 34% o porcentual de empresas que pretendem aumentar os investimentos, segundo a Sondagem de Investimentos, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre-FGV), também divulgada nesta semana.

E, após um período de três meses de estabilidade, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio no Município de São Paulo (Icec) registrou, em fevereiro, queda de 6% em relação a janeiro, atingindo 112,3 pontos. O Icec é 4,1% inferior ao indicador de fevereiro de 2013. O índice avalia a situação presente das empresas, as expectativas para o futuro próximo e a propensão para decidir novos investimentos no comércio, entre outros itens.

Os resultados da política econômica - tais como os desequilíbrios fiscal e cambial, além das pressões inflacionárias - parecem estar entre os grandes responsáveis por menos otimismo. Como agravantes, as condições climáticas e o risco de colapso na oferta de energia.

Maior clareza nas explicações do governo sobre como pretende enfrentar os problemas que geram incertezas e desconfianças poderia melhorar o ânimo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.