REUTERS/Ueslei Marcelino
REUTERS/Ueslei Marcelino

De saída do Banco Central, Ilan defende instituição independente

Em discurso em evento do banco, presidente diz que independência de fato já existe, mas que falta o marco legal

Vinicius Neder e Denise Luna, O Estado de S.Paulo

12 Janeiro 2019 | 04h00

RIO - Na reta final de seu mandato, o presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, está mais otimista quanto à aprovação da independência legal da autoridade monetária. Goldfajn não aceitou o convite da equipe econômica do governo Jair Bolsonaro para seguir no cargo, mas defende a aprovação da independência legal do órgão, com mandatos fixos para os diretores, incluindo o presidente.

Em rápido discurso de encerramento em evento sobre a história do BC, na sexta-feira, 11, no Rio, Goldfajn comentou que um traço da atuação da autoridade monetária desde os anos 1990 tem sido a independência operacional de fato, mesmo que isso não esteja definido ou garantido em lei.

“Pessoalmente, acho que as dificuldades políticas (para aprovar a independência legal), algumas delas, têm ficado para trás. É uma percepção minha, das últimas conversas e das últimas negociações. Nesse caso, estou um pouco mais otimista de que, dada a evolução da independência ‘de facto’, que a gente finalmente vai ter a independência ‘de jure’”, afirmou Goldfajn.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já demonstrou apoio à ideia, que geralmente é bem vista no mercado financeiro e por economistas de formação liberal.

Para o secretário de Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles, que presidiu o BC ao longo dos dois governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de 2003 a 2011, a independência de fato se consolidou ao longo de seu mandato. Também presente no evento sobre a história do órgão, Meirelles contou a sua história de como teria chegado a essa conquista.

Segundo o ex-ministro da Fazenda, ele só aceitou o cargo, após convite de Lula, porque foi prometido que haveria independência. Num primeiro momento, contou Meirelles, o governo concordou com a ideia de fixar a independência na lei, e uma proposta de emenda constitucional (PEC) chegou a ser redigida. A proposição acabou torpedeada não só pelas alas mais à esquerda do PT, como também pelo empresariado, que queria ter influência na política cambial.

Com a PEC deixada de lado, Meirelles contou que se reuniu com Lula e disse: “O nosso acordo eu vou cumprir. Vou agir de forma independente. Agora, o senhor tem autoridade legal pra me exonerar”, contou Meirelles. Segundo o ex-presidente do BC, essa independência foi mantida.

“Estabeleceu-se ali a base da independência de fato do BC. Ela já existia, mas foi um momento de virada, porque era o governo do PT, do Lula”, afirmou Meirelles.

Marcado por relatos de diversas crises econômicas da história, o evento de sexta-feira do BC serviu também para marcar o sucesso do trabalho de Goldfajn e sua diretoria no controle da inflação. O IPCA, índice oficial de inflação, ficou em 3,75% ano passado, revelou o IBGE. Foi o segundo ano seguido em que o IPCA ficou abaixo do centro da meta definida pelo governo.

Em outro discurso no evento, Goldfajn disse que, mais importante do que a inflação do ano passado ter ficado em torno da meta, é o fato de que as expectativas de inflação para os próximos anos estão no mesmo patamar. No jargão da política monetária, isso quer dizer que as expectativas estão “ancoradas”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.