Rafaela João/Moeda
Rafaela João/Moeda

coluna

Carolina Bartunek no E-Investidor: 5 tendências prejudiciais para quem investe em ações

‘De sementinha em sementinha a gente cresce e conquista espaço’, diz presidente da fintech Moeda

Criada há 3 anos, a fintech Moeda nasceu oferecendo programa de microcrédito e aceleração voltados para agricultoras, pequenas cooperativas e artesãs

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S. Paulo

01 de junho de 2020 | 05h00

Criada há 3 anos, a fintech Moeda nasceu oferecendo programa de microcrédito e aceleração voltados para agricultoras, pequenas cooperativas e artesãs, com objetivo de fomentar a agricultura familiar e comunidades quilombolas. Idealizadora do projeto, Taynnah Reis, 32 anos, levantou US$ 20 milhões por meio de uma oferta inicial de criptomoedas (ICO, na sigla em inglês), com investidores chineses, interessados no projeto de inclusão de Taynnah.

Um pouco antes da quarentena, a Moeda lançou uma plataforma marketplace para fomentar a venda de alimentos orgânicos e artesanato. O negócio foi impulsionado durante a crise da covid-19 e deverá superar a meta de R$ 500 mil em vendas no primeiro ano de operação. 

O que é a Moeda?

É uma fintech com foco ambiental e segurança alimentar, que busca trabalhar não só com microcrédito, mas com um grupo de empresas com foco ambiental e segurança alimentar. 

Como a Moeda faz a ponte entre os empreendedores e o consumidor?

Criamos uma plataforma de marketplace que coloca o produtor direto com o consumidor final. O pagamento é feito online e cai direto na conta do empreendedor. 

O que é comercializado?

São produtos agrícolas orgânicos e artesanatos locais. 

O projeto não foi alterado por conta da covid?

Pelo contrário. A pandemia sensibilizou as pessoas, que passaram a ajudar o pequeno produtor local e passaram a comprar dessa comunidade porque entendem que as grandes redes de varejo têm condições de atravessar a crise. A nossa meta é de atingir R$ 500 mil em vendas no primeiro ano de operação. Só nesses dois meses, atingimos R$ 100 mil. O delivery era a nossa segunda opção, mas virou tema principal por conta da crise.

Em quais regiões a Moeda atua?

Atuamos em cinco Estados – Goiás, Minas Gerais, Ceará, Paraná e São Paulo, além do Distrito Federal. 

Originalmente, o projeto da Moeda era oferecer microcrédito a pequenos empreendedores. Quanto já foi alocado?

Temos alocados R$ 5 milhões em crédito e microcrédito em 23 projetos iniciados. Temos uma carteira de 50 projetos e pretendemos captar ainda este ano entre R$ 50 milhões e R$ 100 milhões com fundos de impacto social. 

De onde vem a inspiração do seu projeto? 

Trabalhei 16 anos fornecendo serviço de tecnologia ao governo. Também me inspirei no meu pai, que trabalhou com agricultura familiar e cooperativas. 

Tudo o que sabemos sobre:
moeda virtual

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.