seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Imagem Roberto Rodrigues
Colunista
Roberto Rodrigues
Conteúdo Exclusivo para Assinante

De volta ao jogo

Apesar da maior presença no comércio global, ainda temos um longo caminho a percorrer

Roberto Rodrigues*, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2019 | 05h00

A chamada “guerra comercial” entre os Estados Unidos e a China – motivada por enormes interesses, tais como a disputa pela hegemonia comercial global – vinha produzindo um efeito colateral perigoso para os países emergentes: o neoprotecionismo começava a crescer principalmente entre os mais ricos, o que acabaria gerando menor acesso a mercados agrícolas, com consequências negativas imprevisíveis para os exportadores de alimentos.

O acordo entre a União Europeia e o Mercosul, sinalizado em 28 de junho, teve dois grandes impactos positivos para o Brasil e os demais membros do nosso bloco: por um lado, foi um torpedo contra esse protecionismo que se desenhava, dada a expressiva parcela da população e da economia abrangidas pelo acordo. 

Por outro lado, nos traz de volta ao grande jogo do comércio global do qual estávamos afastados desde que a Alca (Área de Livre-Comércio das Américas) foi abandonada em 2003. A falta de acordos bilaterais com países relevantes, a nossa ausência da TPP (Parceria Trans-Pacífico), e a trava da Rodada Doha da OMC estavam nos deixando fora de programas estruturados de comércio, embora tenhamos crescido muito nas exportações, sobretudo para a China.

Portanto, o acordo UE-Mercosul nos coloca de fato numa nova e alvissareira condição de jogadores importantes no comércio mundial. Aliás, outros países já se manifestaram favoravelmente a uma maior aproximação conosco, como Estados Unidos e Japão. E também vamos caminhando em acordos com Canadá e Coreia do Sul.

Mas atenção: o jogo nem começou, só está anunciado. Ainda terá de ser aprovado pelos Parlamentos de todos os países dos dois blocos, o que pode levar uns dois ou três anos. E depois teremos de negociar ponto por ponto o que vai acontecer com quotas, tarifas, barreiras não tarifárias e ter uma atenção especial com o chamado “princípio da precaução”, pelo qual eventualmente alguns avanços podem ser negados.

Esse é um jogo que só podemos ganhar ou ganhar, o que implica a montagem de um time vencedor, competente e persistente, com players públicos e privados trabalhando juntos pelo País e pelo bloco. E sabendo que boa parte da torcida é contra, como já se está observando pelas reações de produtores de alguns países europeus. Será fundamental trabalhar com o tema da promoção das nossas vantagens competitivas, com ênfase para a demonstração da sustentabilidade de nossa produção, o que significa inverter a atual equação de percepção e realidade, em que a primeira domina em função de erros de comunicação por parte de agentes do governo e por ausência do setor privado.

Há, portanto, uma gigantesca tarefa por realizar, em especial no que diz respeito à agropecuária. Esse setor responde sistematicamente, desde 2010, por mais de um terço do valor das nossas exportações. Respondemos por 95% do comércio mundial de suco de laranja, 50% do complexo soja, 35% de carne de frango, 34% de açúcar, 30% de café (verde, torrado e solúvel), 17% de carne bovina, 16% de milho, 11% de algodão, 6% de carne suína, 5% de animais vivos, 2% de cacau, rações e arroz, e apenas 1% ou menos em frutas (uvas, cítricas, bananas), chocolates, óleo de palma, cervejas. Podemos crescer muito em todos eles, mas somos responsáveis por medíocres 0,3% do comércio mundial de pescados e 0,2% de lácteos, sem falar em outros grãos, como amendoim, trigo, sorgo, gergelim, em que temos potencial. 

Falta pesquisa e programas para isso tudo, e o acordo exige esse trabalho.

Mas não basta: teremos de abrir mais o nosso mercado. A União Europeia exportou no ano passado US$ 168 bilhões em produtos agropecuários, mas importou US$ 182 bilhões; os Estados Unidos exportaram US$ 156 bilhões, mas importaram US$ 165 bilhões; a própria China exportou US$ 79 bilhões e importou US$ 137 bihões. Enquanto isso, o Brasil exportou US$ 85 bilhões e só importou US$ 11 bilhões. É insustentável, temos de flexibilizar nosso mercado. Mas por outro lado, temos de investir muito mais no que fazemos em inovação tecnológica, em gestão, em infraestrutura e em logística, para citar apenas alguns temas centrais.

Em suma, voltamos, sim, ao jogo. Mas para vencê-lo, e disso depende o desenvolvimento do Brasil e de nossos parceiros do Mercosul, há um longo caminho a percorrer. E já perdemos tempo demais.

*EX-MINISTRO DA AGRICULTURA E COORDENADOR DO CENTRO DE AGRONEGÓCIOS DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.