Deatur orienta o consumidor para escapar do golpe

A orientação do delegado Ítalo Miranda Júnior, da Delegacia de Atendimento ao Turista (Deatur), é nunca comprar bilhete pelo telefone. O consumidor deve ir, pessoalmente à agência e verificar se ela é credenciada da Embratur. Outra saída é checar a validade da passagem com a própria empresa aérea e sempre desconfiar de descontos muito generosos .Além disso, o comprador nunca deve receber um representante da agência em casa ou no trabalho. Pode ser uma maneira de encobrir a inexistência da agência de viagem anunciada no jornal.A partir do dia 12 de junho, a Deatur e a Associação Brasileira das Agências de Viagens (Abav), iniciam um trabalho conjunto para tentar frear o crescimento deste tipo de crime. Serão instalados rádios fixos nas agências em linha direta com a delegacia. Isso vai possibilitar a comunicação imediata em caso de roubo. Fechando o cerco Miranda acha que a atuação das quadrilhas especializadas pode ser maior do que se imagina. Por isso, está entrando em contato com delegacias de grandes cidades como Marília, Sorocaba, Campinas, Ribeirão Preto etc. para obter informações que possam ajudar na investigação. Ele alerta ainda para a questão do receptador, que paga de R$ 80 a R$ 100 por cada bilhete em branco, e diz que, enquanto houver esta figura no mercado, o golpe vai continuar existindo.O delegado explica que as agências de turismo são muito reticentes na hora de fazer a denúncia, com medo de prejudicar a imagem junto aos clientes. Por isso, não há ainda uma estatística sobre o problema e a Deatur conta com a ajuda do turista para esclarecer os casos. Quem tiver qualquer informação ou quiser fazer uma denúncia, mesmo que seja anônima, pode ligar diretamente para a delegacia pelo telefone (0xx11) 214-0209.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.