José Cruz/Agência Brasil - 3/7/2019
José Cruz/Agência Brasil - 3/7/2019

Debate: O governo deve cortar despesas com servidor para cumprir o teto de gastos? Opine

Em 2020, as despesas obrigatórias, aquelas que o governo não pode deixar de pagar e incluem salários dos servidores e aposentadorias, vão atingir 93% do Orçamento, segundo cálculos da equipe do ministro Paulo Guedes

O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2019 | 09h31

SIM

Guilherme Tinoco, mestre em Economia pela Universidade de São Paulo (USP)

O governo precisa cumprir o teto e, para isso, é inevitável atuar sobre a dinâmica das duas maiores rubricas do gasto primário: Previdência e pessoal. A primeira, mais importante e urgente, já está sendo abordada por meio da reforma, então falta atuar sobre a segunda.

Não acho que o ajuste precisa ser imediato, mas precisamos estabelecer hoje regras para a dinâmica, mudando a forma de indexação e, sobretudo, revendo as carreiras do serviço público desde o início. Por outro lado, acho fundamental que o teto do serviço público (R$ 39.293,32) seja respeitado e isso deveria valer imediatamente.

Carreiras da elite do funcionalismo também poderiam ficar alguns anos com reajuste abaixo da inflação, ao menos até voltarmos a crescer com mais vigor.

NÃO

José Luis Oreiro, professor adjunto do departamento de Economia da Universidade de Brasília (UNB)

Isso apenas vai aprofundar a crise. A ideia é de que se o ajuste fiscal não foi bem sucedido até agora – e já estamos no quarto ano de ajuste – é porque ele não foi suficiente. A única coisa que essa agenda vai produzir é mais recessão.

A recessão se aprofundou em 2015 por conta do corte de 35% do investimento público e a economia não reage em função dos cortes sucessivos no investimento. Se além de cortar o investimento, o governo reduzir os salários dos servidores, isso terá um impacto imediato no comércio, sobretudo em cidades pequenas e médias que dependem dos gastos feitos pelos servidores.

A redução do gasto público vai aprofundar a recessão, diminuindo a arrecadação de impostos e aumentando o déficit. É a “agenda do ajuste fiscal perpétuo”.

Qual a sua opinião? Vote na enquete:


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.