Debate sobre biocombustível deve ser feito com fatos, diz Lula

Presidente ressalta benefícios do etanol e diz que preconceito deve ser deixado de lado em debate

Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo,

11 de abril de 2008 | 12h44

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira, 11, em Haia, na Holanda que é necessário discutir as barreiras comerciais aos biocombustíveis e ressaltou os benefícios do etanol na redução da emissão de gases do efeito estufa. "É preciso discutir as barreiras ao comércio de biocombustíveis que surgem a pretexto de supostos riscos ambientais, sociais e alimentares. Considero esse debate necessário e urgente mas ele precisa ser feito com base em fatos e não em preconceitos", concluiu o presidente.   Veja também: Lula diz que alta dos alimentos é 'inflação boa' Lula não dá palpite sobre juros, mas quer combater inflação   Lula afirmou que o Brasil tem feito grandes esforços para reduzir a emissão de gases de efeito estufa. Segundo ele,o desmatamento caiu 60% nos últimos três anos e foram reservados 20 milhões de hectares de área de preservação ecológica. "Os combustíveis fósseis são os maiores responsáveis pelo aquecimento global e a experiência brasileira com biocombustíveis mostra que é possível uma solução equilibrada para os desafios da segurança energética e da sustentabilidade ambiental, social e econômica.   Ainda segundo dados apresentados pelo presidente Lula, a substituição da gasolina pelo etanol, no Brasil, evitou a emissão de 644 milhões de toneladas de CO2 nos últimos 30 anos e gerou cerca de 6 milhões de postos de trabalho, inclusive nas regiões mais carentes do Brasil. Ele que só 1% das áreas agricultáveis é que plantam cana-de-açúcar para a produção do etanol. Lula lembrou ainda que em novembro vai haver seminário internacional para discutir o assunto, e pediu para que os empresários participem de um debate racional, onde haverá uma grande dosagem de informações técnicas e científicas, "de forma a não permitir que a gente fique fazendo debate apenas com viés ideológicos, se a cana vai substituir o feijão o arroz".   Lula disse que nos jornais de hoje já tem até charges dizendo que os biocombustíveis estão causando inflação por conta dos alimentos que deixaram de ser plantados. "Isso é uma falácia, uma mentira deslavada de quem não entende ou não quer entender", desabafou Lula, citando que existem mais de 1 bilhão de seres humanos do mundo vivendo abaixo da linha da pobreza e que não conseguem comer as calorias e proteínas necessárias.   "É amplamente possível compatibilizar produção de etanol e biodiesel com a produção de alimentos", afirmou o presidente. "Peço a todos vocês que ao analisarem a questão dos biocombustíveis não avaliem a partir da lógica de um país europeu" afirmou. Segundo o presidente, há espaço extraordinário para uma parceria para produzir novos combustíveis a partir de países que não produzem nada.   Investimentos   Em discurso de improviso para cerca de 200 empresários holandeses e brasileiros, no seminário sobre Oportunidades de Negócios, em Haia, na Holanda, o presidente conclamou os empresários a investirem no Brasil, assegurando que não faltará infra-estrutura ou energia para que as empresas possam produzir. "Estou dizendo isso para que os empresários saibam o que significa o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), afirmou Lula, que citou vários investimentos do governo na área de infra-estrutura.

Tudo o que sabemos sobre:
BiocombustíveisLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.