Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Débito direto autorizado pode ajudar no controle de contas

No DDA podem ser pagos boletos como plano de saúde, condomínio, água, luz, escola, tributos, TV a cabo, entre outros.

Fabio Gallo, O Estado de S. Paulo

12 de novembro de 2018 | 05h00

Tenho despesas mensais altas – como condomínio e plano de saúde – que só podem ser pagas nos caixas ou por código de barras. Se elas fossem pagas pelo cartão de crédito, os pontos dos programas de benefícios seriam automaticamente adicionados. Pois bem: ao tentar passar essas despesas para o cartão de crédito, encontrei dificuldades tanto com as administradoras que emitem os boletos quanto no banco, que cobra juros extorsivos, o que não compensa monetariamente. Alguma sugestão?

A sugestão que vejo neste caso é usar o serviço de DDA (Débito Direto Autorizado), que facilita o pagamento de boletos de cobrança. Esse tipo de serviço melhora seu relacionamento com o banco. Não traz o benefício da pontuação de programas de milhagem, mas facilita sua vida, inclusive pelo controle eletrônico de contas a pagar. Esse serviço está disponível no internet banking. No DDA podem ser pagos boletos como plano de saúde, condomínio, água, luz, escola, tributos, TV a cabo, entre outros. No cartão de crédito podem ser pagas algumas contas como água, luz, telefone, escola, aluguel. Já outros tipos de contas não podem ser pagas, entre elas tributos, títulos que não apresentem natureza pessoal e contas devidas por empresas. Mas não saia pagando contas em seu cartão de crédito sem antes verificar as tarifas, as limitações do serviço e encargos, pois podem ser cobrados juros entre a data de pagamento do boleto e a data de vencimento do cartão. Pagar contas com cartão não pode ser para “empurrar” a dívida – não adianta nada se você não tiver dinheiro para pagar o valor integral da fatura na data do vencimento. E, mesmo que você tenha e que o seu banco não cobre tarifas, pode não valer a pena usar o serviço, pois nessa operação há incidência de IOF. Para poder usar o serviço frequentemente é necessário autorizar previamente pela internet, aplicativo ou central de atendimento.

O que é melhor para obter resultados em um prazo de 12 meses ou mais: ter uma carteira de ações ou aplicar em um fundo de ações? 

Caso você não tenha experiência em lidar com carteira de ações, aplique seu dinheiro num fundo. Desde que você tenha conhecimento sobre mercado de capitais, assim dominando os conceitos do investimento em ações, os resultados brutos do fundo e da carteira própria tendem a ser próximos. A diferença deve ocorrer na rentabilidade líquida, porque o fundo tem custos, como taxa de administração e, potencialmente, taxa de performance. O Índice Bovespa (Ibovespa) tem batido recordes e há no mercado a sensação de que ainda há espaço para subir mais. Nos últimos tempos, as nossas empresas ficaram baratas. Muitos estrangeiros vieram para a Bolsa – embora nos últimos dias tenha havido fuga de dinheiro de fora, mas que foi compensada pela presença de investidores nacionais, mostrando o otimismo do mercado. Caso você não tenha experiência no mercado de capitais, é indicado aplicar seu dinheiro num fundo enquanto você busca aumentar seu conhecimento. Aproveite e busque por simuladores do investimento em ações. Há excelente material disponível na B3, inclusive com cursos gratuitos. Há também cursos gratuitos no ambiente da FGV Online que podem ajudá-lo no processo de investimento no geral e, também, em ações. Por outro lado, antes de decidir investir em ações, defina muito bem seus objetivos porque o prazo que você está estipulando, de 12 meses, é curto – e você deve ponderar se não é o caso de aplicar em ativos de menor risco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.