Decisão da Argentina sobre YPF não rompe acordos com OMC, diz fonte

Pode ser difícil para a UE desafiar a decisão da Argentina, o que deixa o acordo de investimento assinado entre a Espanha e o país sul-americano como o único instrumento disponível para analisar o tema

Danielle Chaves, da Agência Estado,

17 de abril de 2012 | 12h58

A decisão da Argentina de seguir adiante com a nacionalização da YPF - que era uma estatal de petróleo local e depois tornou-se subsidiária da espanhola Repsol - não rompe qualquer compromisso do país com a Organização Mundial de Comércio (OMC), afirmou uma fonte da União Europeia. "Essa expropriação não é coberta por qualquer um dos compromissos da Argentina na OMC", disse a fonte, acrescentando que essa é uma primeira avaliação sobre o assunto.

A afirmação sugere que pode ser difícil para a UE desafiar a decisão da Argentina na OMC, o que deixa o acordo de investimento bilateral assinado entre a Espanha e o país sul-americano como o único instrumento disponível para analisar o tema e buscar um acordo. Geralmente a OMC não trata de questões sobre investimento, a menos que eles sejam ligados a serviços, segundo outra fonte da UE. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.