carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Decisão da Bolívia não afeta mercado brasileiro, diz Rondeau

O ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, afirmou nesta quinta-feira que a decisão da Bolívia de expropriar as refinarias da Petrobrás que processam condensado de gás para produzir gasolina, diesel e gás de cozinha (GLP) não afeta o abastecimento do mercado brasileiro desses combustíveis. Segundo o ministro, o mercado brasileiro não é afetado porque as duas unidades da estatal brasileira na Bolívia produzem apenas para suprir o mercado interno boliviano. Para o ministro, "o seqüestro" de receitas da estatal brasileira "é inaceitável". Rondeau, comentando o fato de que a resolução do governo boliviano estabelece que as receitas das refinarias da Petrobras passarão a ser controladas pela YPFB, disse que, com isso, a empresa brasileira passaria a ser apenas uma "prestadora de serviços". "Usaremos todos os meios legais para rever essa posição." O ministro afirmou que, por enquanto, o governo brasileiro não pedirá a revogação da resolução boliviana, porque, segundo ele, ainda há espaço para negociar. "A medida veio por resolução, não é um decreto supremo. Temos de avaliar, antes de pedir ou não a revogação. Entendemos que isso (a resolução) não é um fato consumado, dada a natureza do documento", disse Rondeau. Segundo ele, a decisão do governo boliviano estremece as relações de confiança" entre os dois países. "É preciso reconstruir essas pontes. A confiança é fundamental para qualquer tipo de investidor", disse o ministro.Rondeau relatou aos jornalistas ter dito nesta quinta, por telefone, ao ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, Andrés Solíz Rada, que não poderia ir para a reunião de negociações marcada para esta sexta-feira "com o clima de agora". "A resolução (do governo boliviano) destruiu o clima que se construía de retomada das negociações.Ao falar da reação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à decisão do governo da Bolívia, Rondeau afirmou que o presidente "tem sido firme, mas sereno."

Agencia Estado,

14 de setembro de 2006 | 18h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.