Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Justiça suspende leilão de distribuidora da Eletrobrás no Amazonas

Decisão, que atende a ação movida por trabalhadores da estatal, foi proferida na segunda-feira, quando aconteceu o leilão, e confirmada nesta quarta-feira

Luciana Collet , O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2018 | 00h13

O resultado do leilão da distribuidora da Eletrobrás no Amazonas está suspenso por ordem judicial. A decisão foi proferida na segunda-feira, mesmo dia em que se realizou o leilão, e confirmada nesta quarta-feira, 12, pelo desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 1.ª Região (TRT-1) Mário Sérgio Pinheiro. 

A suspensão atende a uma ação dos sindicatos de trabalhadores da Eletrobrás, que exigem que os impactos da venda sejam avaliados pelo Órgão Especial da Justiça do Trabalho. A decisão se estende ao leilão da Ceal, de Alagoas, marcado para a próxima quarta-feira. 

Na segunda-feira, não havia ficado claro se a liminar anulava a venda da Amazonas Energia ou apenas a da distribuidora de Alagoas. O BNDES, que realizou o leilão, e representantes da Eletrobrás afirmaram na ocasião que a liminar não afetava o certame, porque foi publicada após a batida de martelo e não citava nominalmente a Amazonas, mas apenas “os leilões remanescentes”. O BNDES também alegou que não tinha sido intimado da decisão até a realização do leilão.

Em comunicado ao mercado divulgado no mesmo dia 10, a Eletrobrás reforçou o entendimento de que, como a companhia não foi intimada da liminar na ocasião, “o único leilão que entende-se que poderia ser remanescente, se aplicável, é o da Companhia Energética de Alagoas (Ceal), agendado para o próximo dia 19 de dezembro” e informou que tomaria as providências judiciais necessárias.

A Amazonas Energia foi vendida para o consórcio formado pelas empresas Oliveira Energia e Atem, da região Norte. Elas fizeram a única oferta pela empresa. 

Como previsto no edital, a Eletrobrás assumirá R$ 13 bilhões em dívidas da empresa amazonense, enquanto os compradores ficarão com R$ 2,2 bilhões em débitos. 

A maior parte das dívidas da unidade é com a Petrobrás, pelo fornecimento de combustíveis para térmicas da empresa. Os novos donos da Amazonas Energia, que já haviam vencido o leilão da distribuidora Boa Vista, de Roraima, se comprometeram a fazer um aporte de R$ 491 milhões na empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.