Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Decisão da OMC pode ajudar em outras negociações, diz Amorim

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse hoje que a decisão da OMC, em dar parecer favorável ao Brasil contra os subsídios dos Estados Unidos aos seus produtores de algodão poderá ajudar em outras negociações comerciais. "Eu acho que essa decisão, além do impacto imediato, que não é desprezível sobre o algodão, vai ajudar a avançar nas negociações para eliminação dos subsídios à exportação e redução substancial dos subsídios internos, que é o mandato da rodada de Doha", disse o ministro, para quem as negociações do Brasil com a União Européia, agora tem mais chance de ser fechado agora. "Eu sempre tenho dito, embora muitas vezes as pessoas não levem muito a sério, que a principal negociação para o Brasil é da OMC. Uma decisão desse tipo nós jamais teríamos obtido na Alca ou numa negociação bilateral com a União Européia. Só o sistema multilateral poderia ter dado essa vitória que deu ao Brasil", acrescentou o ministro, em entrevista ao programa Bom Dia Brasil, da TV Globo.Segundo o ministro, a repercussão na imprensa estrangeira da decisão da OMC, inclusive nos jornais norte-americanos, deixa claro que isso já estava sendo aguardado. "Isso é algo tão saudável para o comércio internacional, que o Brasil, de certa maneira, funcionou como um catalizador para uma coisa que era uma expectativa geral", disse o ministro, citando como exemplo o jornal Los Angeles Times, que disse que com a decisão da OMC "nós podemos pela primeira vez pensar o impensável: um mundo sem subsídios". "Houve uma deslegitimação clara dos subsídios internos. É muito mais que o algodão que está em jogo", ressaltou o ministro. Celso Amorim acredita que agora outros produtos brasileiros devem receber o mesmo tratamento autorizado pela OMC, como o açúcar, milho e soja. "Se não houver a redução, os países desenvolvidos vão ter de enfrentar uma série de outras ações não só do Brasil como de outros países em desenvolvimento", disse.

Agencia Estado,

29 de abril de 2004 | 11h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.