Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Decisão da Opep é perturbadora, alerta Agência de Energia

A decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de cortar seu excesso de produção é "um tanto perturbador", uma vez que os preços do produto permanecem elevados e os estoques estão baixos, disse o diretor-executivo da Agência International de Energia (AIE), Claude Mandil."Eu penso que os ministros da Opep fazem o que eles acham que devem fazer, mas eu ainda acho que os preços estão muito elevados e os estoques ainda estão muito baixos, pelo menos para produtos, especialmente para os destilados", disse Mandil, de Paris, em entrevista por telefone à Dow Jones. "Há muita volatilidade (oscilação) nos mercados", acrescentou.A Opep concordou hoje em cortar a produção em 1 milhão de barris por dia, para se adequar ao teto de produção de 27 milhões de barris por dia. O cartel vai reunir-se novamente no dia 30 de janeiro em Viena para avaliar as condições do mercado e decidir sobre a política de produção.Erros passadosO diretor-executivo da AIE disse que se sente encorajado pelos comentários do ministro de petróleo da Arábia Saudita, Ali Naimi, feitos no início desta semana, de que a Opep manteria os mercados bem supridos de petróleo. "Contudo, eu penso que vejo esta decisão como um tanto perturbadora", disse Mandil.Ele também expressou a preocupação de que a Opep esteja repetindo os erros cometidos em fevereiro deste ano, quando cortou a produção e contribuiu para a acentuada alta dos preços do petróleo para níveis recordes em outubro. Mandil disse que o cartel de produtores precisa acompanhar a demanda sazonal atentamente e sem pânico."Se os preços caírem dramaticamente isso poderá aumentar a ansiedade dos ministros da Opep. Essa ansiedade é exagerada - os preços estão redor de US$ 37, US$ 38 o barril", disse Mandil. Contudo, ele disse que é difícil elaborar sobre uma decisão que ainda não foi implementada. "Vamos esperar e ver quais serão os resultados", finalizou. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

10 de dezembro de 2004 | 16h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.