Decisão da S&P não reflete realidade, diz Berlusconi

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, disse ontem que a decisão da agência de classificação de risco Standard & Poor's de rebaixar a nota da dívida soberana de curto e longo prazo da Itália de A+/A-1+ para A/A-1 "não reflete a realidade do país", que já se preparava para adotar medidas de estímulo ao crescimento, ao que se somaria a elevação de impostos e cortes nas despesas públicas.

O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2011 | 03h05

"As avaliações da Standard & Poor's parecem pautadas mais por histórias de jornal do que pela realidade, e sugerem ser negativamente influenciadas por considerações políticas", disse Berlusconi em comunicado.

O primeiro-ministro acrescentou que seu governo já aprovou medidas para equilibrar o orçamento em 2013 e preparava medidas para estimular o crescimento da economia italiana, com previsão de dar frutos a curto e médio prazos.

A S&P justificou sua decisão alegando que a Itália sofre um enfraquecimento em suas perspectivas de crescimento econômico e também por causa do seu nível da dívida pública maior que o esperado. A avaliação da S&P para a Itália ainda está cinco passos acima do "status junk".

Ainda ontem, o jornal 'Corriere della Sera' informou que o governo italiano está prestes a revisar sua estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2011 de 1,1% para 0,7%. O governo também vai cortar as projeções para 2012, de 1,3% para cerca de 1%, acrescentou o jornal. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.