Decisão de OceanAir assumir BRA foi da Anac, diz Jobim

Segundo ministro, ele só participou no contato com os presidentes das companhias aéreas

Tânia Monteiro, da Agência Estado,

12 de novembro de 2007 | 20h18

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, defendeu a atuação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) na solução da crise da BRA e na participação da solução do problema para os 70 mil passageiros que haviam comprado bilhete da companhia aérea. Segundo Jobim, ele só participou no contato com os presidentes das companhias aéreas, estimulando a realização da parceria. Ele disse ainda que a possibilidade de a OceanAir assumir definitivamente as operações da BRA é "um problema comercial". O ministro vem defendendo a necessidade de ampliação do número de empresas aéreas no País, com objetivo de acabar com o duopólio existente entre a Gol e a TAM, que juntas têm 86% do mercado. Na semana passada, o ministro voltou a defender o fortalecimento das empresas regionais. A parceria entre a OceanAir e a BRA já seriam um primeiro passo para ajudar o fortalecimento das empresas regionais. Em outubro, a OceanAir dominava 2,94% do mercado, contra 2,18%, da BRA, que já dava sinais de que passava por problemas. Exemplo disso foi a suspensão dos seus vôos internacionais.

Tudo o que sabemos sobre:
BRAOceanAircrise aérea

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.