Decisão do BC altera perspectiva para balanço de pagamentos

A decisão anunciada hoje pelo Banco Central, sobre o Tesouro Nacional voltar a adquirir dólares no mercado para pagar vencimentos da dívida externa, alterou as projeções do BC para alguns indicadores do balanço de pagamentos de 2005. Segundo o chefe do Departamento Econômico (Depec) do BC, Altamir Lopes, a variação de ativos brasileiros no exterior, por exemplo, passará de uma posição negativa de US$ 14,4 bilhões para US$ 12,3 bilhões. Os depósitos de bancos - incluídos nesta conta - passam de uma posição negativa de US$ 10,4 bilhões para US$ 8,3 bilhões. "Essa variação reflete o aumento de reservas por causa das compras do Tesouro", disse Altamir. Outras alterações foram feitas dentro das projeções do balanço de pagamentos brasileiro para 2005. No caso da balança comercial, o BC passa agora a estimar um superávit comercial de US$ 25 bilhões, ante US$ 24,5 bilhões na estimativa anterior. O BC espera que as exportações ao longo de 2005 aumentem em 5%, atingindo o patamar histórico de US$ 100 bilhões. Na projeção passada, a taxa de crescimento estimada era de 4,9%, com as exportações atingindo o patamar de US$ 94,5 bilhões. Pelo lado das importações, a taxa de crescimento esperada agora é de 19,4%, ante 16,7% na projeção anterior. Com isso, as importações, ao longo de 2005, deverão totalizar US$ 75 bilhões, e não mais os US$ 70 bilhões estimados até o mês passado. Balanço de pagamentos O Balanço de pagamentos é o registro contábil de todas as transações de um país com outros países do mundo. A balança comercial (exportações - importações), a balança de serviços (Fretes pagos e recebidos de navios estrangeiros, juros de empréstimos estrangeiros, lucros remetidos e recebidos do exterior, etc.) e as transferências unilaterais (donativos) formam a balança de transações correntes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.