Decisão do BC do México de cortar juros foi dividida, mostra ata

A decisão de reduzir a taxa de juros no México, tomada no início do mês pelo banco central do país, foi dividida, mas a maioria entendeu que a capacidade ociosa da economia cresceu, ao mesmo tempo em que os riscos sobre a inflação aumentaram, mostrou a ata do BC local.

REUTERS

20 de junho de 2014 | 12h59

A votação entre os membros da diretoria do banco central foi três a dois a favor do corte de 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros, para a mínima recorde de 3 por cento em 6 de junho, surpreendendo todos os 21 analistas consultados pela Reuters.

A ata indicou ainda que a maioria concordou em comunicar que esse movimento surpresa não era o início do ciclo de corte da taxa.

"Dadas as condições econômicas descritas, a convergência à meta de 3 por cento pode ser atingida de forma eficiente com uma taxa de juros mais baixa", trouxe a ata.

A segunda maior economia da América Latina praticamente não cresceu no primeiro trimestre, uma vez que o inverno severo pressionou o crescimento nos Estados Unidos, maior parceiro comercial do México. Além disso, aumentos de impostos no México golpearam a demanda doméstica.

Em maio, o banco central reduziu sua projeção de crescimento para entre 2,3 e 3,3 por cento, contra a estimativa anterior de 3 a 4 por cento, mas a maioria acredita que será necessário fazer novos cortes na previsão diante de dados mais recentes, informou o documento.

Não era esperado que o BC do México reduzisse a taxa de juros tão abaixo da atual taxa de inflação, que estava em 3,51 por cento no período de 12 meses até maio.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 5644-7732)) REUTERS PD BBF TP

Tudo o que sabemos sobre:
MACROMEXICOBC*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.