Decisão do BC terá impacto no crédito, diz Febraban

O aperto monetário anunciado pelo Banco Central (BC), que mexeu nas taxas do compulsório, deve ter impacto na oferta e no custo de crédito, avalia Rubens Sardenberg, economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). "É inevitável que tenha algum tipo de impacto em um primeiro momento", disse.

AE, Agencia Estado

26 de fevereiro de 2010 | 08h31

Para Sardenberg, a dimensão desse impacto vai depender de fatores como concorrência entre os bancos, aquecimento da economia, cenário externo e taxas de inadimplência. "Os bancos estão capitalizados e a concorrência é grande", diz o economista, destacando que os bancos públicos também estão com forte apetite no segmento de crédito, o que acirra ainda mais a disputa por clientes.

Se a concorrência nos empréstimos continuar acirrada, diz o economista, o aumento do custo trazido pelas taxas mais altas do compulsório pode não ser repassado para o tomador final. Sardenberg diz que não houve surpresa com a decisão do BC, pois o mercado já esperava a medida.

Na avaliação do presidente do conselho de administração do Bradesco, Lázaro Brandão, a medida do governo está correta e "dentro das perspectivas normais". Indagado sobre a possibilidade de o aumento no compulsório significar redução na oferta de crédito, ele afirmou que haverá, sim, uma queda, mas "nada substancial". Já os juros, em sua opinião, não devem ser alterados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
compulsório, BC, crédito, Febraban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.