Decisão do Copom vem em linha com aposta do mercado

A decisão do Copom de manter a taxa Selic em 19,75%, veio exatamente como esperava a maior parte do mercado financeiro. A curva de juros futuros já precificava o fim do aperto monetário nesta reunião, por causa da percepção de que os dois fatores de risco apontados na última ata foram revertidos: a inflação corrente (tanto IGPs quanto o IPCA vêm em trajetória declinante) e a expectativa de inflação, que também mostra alívio - e, na opinião dos operadores, deve seguir em queda, considerando, por exemplo, o fato de o IGP ter mostrado deflação.A discussão do mercado passa agora a ser por quanto tempo a Selic será mantida nesse nível. A aposta do mercado é de que a queda da taxa começara no último trimestre do ano. Mas, dependendo dos resultados dos próximos índices de inflação, é possível a hipótese de que a redução da taxa será abreviada seja considerada. O mercado de juros pode esboçar algum ajuste nas taxas na abertura do mercado nesta quinta-feira. Embora a manutenção estivesse no preço, houve uma pequena elevação dos prêmios dos contratos de curto prazo. Mas, provavelmente, a reação ao Copom terá fôlego curto: o noticiário político continuará ditando o rumo do mercado. "O mercado seguirá muito volátil e reagindo a qualquer novidade no campo político", afirma um operador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.