Decisão do Fed influencia mercados

A redução da taxa de juros norte-americana já era esperada mas, o momento em que foi anunciada, ou seja, antes da próxima reunião do banco central dos Estados Unidos (Fed), em 15 de maio, pegou os investidores de surpresa. A taxa nos Estados Unidos, que estava em 5% ao ano, foi reduzida para 4,5% ao ano. A decisão do Fed influenciou os mercados financeiros nos Estados Unidos e no Brasil. A Nasdaq - bolsa dos EUA que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - está em alta de 10,07%. O índice Dow Jones - que mede a valorização das ações de empresas mais negociadas na Bolsa de Nova York - registra alta de 4,30%. No Brasil, o efeito mais forte da queda dos juros norte-americanos foi percebido no mercado cambial. Nos instantes anteriores à decisão do Fed, o dólar comercial estava cotado a R$ 2,1900 na ponta de venda dos negócios. Após o anúncio, caiu para R$ 2,1850 e chegou à mínima do dia, sendo cotado a R$ 2,1670 na ponta de venda dos negócios. Há pouco, o dólar comercial era vendido a R$ 2,1760 - queda de 0,96% em relação às últimas operações. No mercado de juros, também as taxas caíram. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 20,250% ao ano, frente a 20,880% ao ano registrados ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 5,11%. Os analistas consideram que a decisão do Fed não deve ter influência sobre a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que divulgará no início da noite sua avaliação mensal da taxa básica de juros (Selic). A maioria das apostas apontam para uma alta de 0,5 ponto porcentual, elevando os juros de 15,75% para 16,25% ao ano. Veja no link abaixo mais informações mais informações sobre a decisão do Fed e a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.