ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO-6/12/2018
ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO-6/12/2018

Decisão do STF demonstra que instituições funcionam, diz presidente da Petrobrás

Segundo o executivo, com a venda de subsidiárias, a empresa poderá focar no seu negócio principal que é produção de petróleo e gás, principalmente no pré-sal

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2019 | 13h51

RIO - Para o presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de liberar a venda de subsidiárias estatais demonstra que "instituições fortes funcionam no Brasil". 

Segundo o executivo, com a venda de subsidiárias a empresa poderá focar no seu negócio principal que é produção de petróleo e gás, principalmente no pré-sal. Ele citou a venda da distribuidora de GLP, a Liquigás, como uma das controladas que estão na lista de desinvestimento. 

Uma empresa subsidiária é uma espécie de subdivisão de uma companhia. A Petrobrás, por exemplo, tem 36 subsidiárias, como a Transpetro e a BR Distribuidora. Segundo o Ministério da Economia, há 134 empresas estatais, sendo 88 subsidiárias. Já para a "empresa-mãe", ou seja, a empresa pública ou a sociedade de economia mista, a venda ou a perda de controle acionário necessitam de autorização legislativa, assim como um processo de licitação. 

Presente ao evento, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que a "decisão do STF contribui para a segurança jurídica dos investimentos". 

TAG    

Também na última quinta-feira, 6, o STF, por meio do ministro Edson Fachin, decidiu por liberar a venda de 90% da Transportadora Associada de Gás (TAG), por US$ 8,6 bilhões, por parte da Petrobrás. 

A nova decisão de Fachin foi tomada depois de o Supremo determinar que o processo de venda ou perda de controle acionário de subsidiárias das estatais não precisa de aval do Congresso Nacional para ser realizado. 

A francesa Engie, que pretende comprar a TAGcomemorou a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, de liberar a venda da Transportadora Associada de Gás (TAG) pela Petrobrás. “Prevaleceu o bom senso”, declarou Maurício Bähr, presidente do grupo francês, minutos após descobrir que o negócio havia sido liberado. Com a decisão, diz o executivo, a compra do gasoduto poderá, de fato, ser concluída.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.