Decisão do STF não deve ser discutida, defende Rebelo

O ministro da coordenação política, Aldo Rebelo, disse hoje que a decisão do Supremo Tribunal Federal de aceitar denúncia da Procuradoria contra o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, não pode ser discutida. "Decisão do Supremo é para ser cumprida e respeitada, não para ser comentada". Informado por jornalistas de que o presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, defendeu que Meirelles seja afastado do cargo durante as investigações, Rebelo disse que "o presidente da Câmara tem toda autoridade política para julgar ou até prejulgar as pessoas". Rebelo também disse que as investidas do PT sobre seu cargo são "aspirações naturais dos partidos que querem ocupar mais espaço nos ministérios". Ele afirmou estar cumprindo seu papel de coordenador político, que lhe foi confiado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Rebelo disse ainda que para analisar as derrotas que o governo sofreu prefere antes analisar as vitórias. De acordo com ele a agenda do governo foi "extremamente vitoriosa" e citou aprovações das reformas tributária, previdenciária e da lei de falências entre outras".

Agencia Estado,

12 Maio 2005 | 17h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.