Estadão
Estadão

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Decisão judicial pode deixar Amazonas sem energia elétrica

Risco de corte no fornecimento está atrelado ao atendimento de uma liminar dada pela Justiça em ação popular que pede a suspensão do repasse de R$ 1,33 bilhão à Amazonas Energia

André Borges, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2017 | 19h58

BRASÍLIA - O cumprimento de uma decisão judicial poderá deixar o Estado do Amazonas sem energia. O risco de corte no fornecimento está atrelado ao atendimento de uma liminar dada pela Justiça em ação popular que pede a suspensão do repasse de R$ 1,33 bilhão à Amazonas Energia, estatal controlada pelo Grupo Eletrobrás. O dinheiro é referente a pagamentos a mais feitos no passado nas contas de luz.

O Estado teve acesso a uma nota técnica da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que orienta o cumprimento da decisão judicial. No documento, os técnicos da agência deixam claro que "o bloqueio de recursos à beneficiária Eletrobrás Amazonas Energia (AmE) produto da decisão liminar, conduz à provável interrupção no fornecimento de energia elétrica para o Estado do Amazonas".

A origem do problema está em um acerto de contas com a Amazonas Energia, que em anos anteriores recebeu valores acima do devido para comprar gás de usinas térmicas da região e distribuir energia para a população do Estado. Ao apurar essa diferença, a Eletrobrás reconheceu um montante que, em valores atualizados até fevereiro deste ano, chegam a R$ 1,332 bilhão.

++ Usinas propõem inundar 1.085 km2 da Amazônia

Ocorre que a forma de quitação desse montante vem sendo discutida com a Aneel para evitar a paralisação das operações da Amazonas Energia, uma vez que a empresa encontra-se em difícil situação financeira e negocia uma dívida bilionária com a Petrobrás.

A liminar judicial, no entanto, atropelou esse processo, exigindo a retificação imediata do orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) de 2017, encargo embutido na conta de luz e pago por todos os consumidores.

"A decisão é clara para recalcular o orçamento da CDE 2017 com redução R$ 1,33 bilhão, o que demandará que o citado recurso seja provido pela Eletrobras AmE (beneficiária) ou glosado das parcelas mensais devidas à beneficiária", alerta a nota técnica da Aneel.

++ Segunda Turma do STF julga dia 22 de agosto recurso da Cemig contra leilão de Jaguara

A agência afirma ainda que o fundo "não dispõe de recursos para suportar eventual falta de aporte do montante de R$ 1,33 bilhão" pela Amazonas Energia, o que levará ao bloqueio desse montante no repasse previsto para a estatal. O orçamento da CDE de 2017 prevê um total de R$ 2,692 bilhões para bancar as contas da Amazonas Energia. O corte, portanto, afeta metade dos repasses deste ano.

"Dessa forma, há grave risco de inadimplemento da Eletrobras AmE frente ao pagamento do contrato da Cigás (Companhia de Gás do Amazonas (Cigás), o que poderá interromper o fornecimento de gás à concessionária, com consequente interrupção no fornecimento de energia elétrica na região", afirma a Aneel.

Com o recálculo dos repasses para o fundo, o valor total previsto para o ano cairia de R$ 15,010 bilhões para R$ 13,677 bilhões. Os técnicos da Aneel pedem que a procuradoria da agência faça uma petição em juízo "para demonstrar o cumprimento da decisão judicial e alertar sobre o grave risco à ordem social e econômica que a medida judicial impõe à sociedade e economia do Estado do Amazonas".

O assunto deverá ser discutido em audiência pública da Aneel, que ocorre nesta terça-feira, 8. Procurada pela reportagem, a Amazonas Energia não se posicionou sobre o assunto até a publicação deste texto.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.