finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Decisão sobre Nossa Caixa e BB não sai nesta terça, diz Lula

Presidente afirma que Banco do Brasil perdeu liderança no mercado e que governo quer recuperar posição

Denise Chrispim Marin e Leonencio Nossa, da Agência Estado,

18 de novembro de 2008 | 14h56

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou no Itamaraty que a decisão sobre a aquisição da Nossa Caixa pelo Banco do Brasil não sairá nesta terça-feira, 18. Questionado sobre essa operação, Lula salientou que o BB era a principal instituição financeira do País, mas que, com a fusão do Unibanco com o Itaú, caiu para a segunda posição. "Queremos que o Banco do Brasil seja muito maior", disse.  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  O presidente teve, no entanto, o cuidado de afirmar que vai tratar do assunto nesta tarde com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e que pretende também ouvir o governador de São Paulo, José Serra. Ele insistiu que não tem ainda uma avaliação final sobre o tema. Na reunião com Mantega e Meirelles, o principal tema, segundo Lula, será a avaliação sobre a liberação de recursos para linhas de financiamento que foram reforçadas por iniciativas do governo. "O problema não é a falta de dinheiro. O problema é que as pessoas estão com medo", afirmou.  De acordo com essa lógica, completou o presidente, ao temer a perda de emprego, as pessoas não estão comprando e, com isso, alimentam a tendência de desemprego que elas têm medo. Lula aconselhou que as pessoas endividadas tenham mais cuidado com relação às suas compras, mas que, quem não tem nenhum passivo, volte a comprar. "Esse é um momento de bons negócios", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.