Decisões da cúpula da UE não podem ser aplicadas no caso da Grécia, diz Junker

Para o presidente do Eurogrupo, especificidade do programa definido para Espanha e Itália é diferente daquela da Grécia, que entrou em um programa de resgate

Álvaro Campos, da Agência Estado,

29 de junho de 2012 | 16h17

ATENAS - O primeiro-ministro de Luxemburgo e presidente do grupo de ministros de Finanças da zona do euro (Eurogrupo), Jean-Claude Juncker, disse que o acordo aprovado nesta madrugada pela cúpula da União Europeia para permitir a recapitalização de bancos pelos fundos de resgate do bloco não se aplica no caso da Grécia, pelo menos por enquanto.

"A especificidade dos aspectos do programa que nós decidimos para Espanha e Itália é diferente daquela da Grécia, que é um país que entrou em um programa de resgate", comentou Juncker para a agência estatal de notícias Athens News Agency.

A Grécia, juntamente com Irlanda e Portugal, recebeu um pacote de resgate da UE e do Fundo Monetário Internacional (FMI), mas a ajuda está condicionada ao cumprimento de regras rígidas de austeridade fiscal. Essas exigências dos credores são bastante impopulares entre a população, principalmente na Grécia.

"Eu acredito que um orçamento rígido deve continuar a ser aplicado na Grécia, porque a Grécia definitivamente precisa reformar suas finanças públicas, melhorar a competitividade e corrigir desequilíbrios", comentou Juncker. "Dito isso, eu não ignoro que as condições de vida, especialmente para aqueles de menor renda, estão piorando. Todos os europeus precisam levar isso em conta. Nós não temos o direito de provocar uma crise humanitária", acrescentou.

O ponto central do acordo fechado pela cúpula da UE é de que no futuro os dois veículos de assistência financeira da região, a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) e seu sucessor, o Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM), poderão injetar capital diretamente nos bancos, evitando a necessidade de os governos individuais aumentarem sua dívida nesse processo.

As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciaeurocriseresgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.