Decisões da Rodada de Doha ficarão para 2008, confirma Lamy

O diretor-geral da Organização Mundialdo Comércio, Pascal Lamy, confirmou nesta quarta-feira que asnegociações da Rodada de Doha de comércio global não terãograndes avanços neste ano. Diplomatas vinham dizendo nos últimos dias que oscoordenadores das negociações agrícola e industrial sódivulgariam os textos revisados da negociação em 2008. "Ao invés de produzir propostas cozidas pela metade (...),os membros preferem um cozimento bom, longo e às vezes lentoque nos levará ao ano que vem -- tanto para a produção dosdocumentos do acordo quanto para sua adoção", disse Lamy ementrevista coletiva. "É demorado, mas algumas civilizações sabem que umcozimento ótimo às vezes pode ser lentíssimo", afirmou ofrancês. O principal empecilho à conclusão da Rodada de Doha é aresistência dos países desenvolvidos em abrir mão de subsídiose tarifas agrícolas, enquanto países em desenvolvimento relutamem abrir seus setores industriais. Em meados deste ano, ainda havia esperança de um acordo atédezembro, o que agora já parece impossível, mas diplomatasdizem que pelo menos os assuntos estão sendo discutidos. Lamy disse à Reuters que os ministros de participantesimportantes devem manter discussões informais sobre a Rodada deDoha no final de janeiro no Fórum Econômico Mundial de Davos,um encontro anual de políticos, empresários e acadêmicos. "Pode-se dizer que é um bate-papo ao pé da lareira. Não énada como uma (reunião) ministerial ou uma negociação",afirmou. Em anos anteriores, ministros envolvidos na Rodada de Dohajá se encontraram informalmente na cidade suíça. Diplomatas dizem que os textos-base da negociação só devemser divulgados depois de Davos. (Por Jonathan Lynn)

REUTERS

21 de novembro de 2007 | 20h50

Tudo o que sabemos sobre:
DOHALAMY

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.