Declínio econômico mundial ainda não foi revertido, diz FMI

Segundo relatório, porém, Fundo espera que políticas anticrise produzam progresso substancial no próximo ano

Nalu Fernandes, da Agência Estado,

24 de junho de 2009 | 13h06

O declínio do crescimento mundial ainda não foi revertido, reconhece o Fundo Monetário Internacional (FMI) em documento preparado para a conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a crise mundial. Espera-se que os esforços de políticas anticrise sem precedentes que já estão a caminho produzam progresso substancial no próximo ano, mas os riscos negativos a esta perspectiva continuam consideráveis, acrescenta o relatório.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

No documento para a ONU, o Fundo diz que crise resultou de "séria falha de mercado, refletindo otimismo excessivo dos investidores depois de um amplo período de crescimento econômico, baixa volatilidade do mercado e baixos juros reais, misturados com sérias falhas regulatórias".

 

O FMI reitera que será preciso empenho para corrigir as falhas sistêmicas que produziram as precondições para a crise atual. "Assim novos esforços internacionais serão essenciais para o alcance de uma retomada equilibrada e sustentável do crescimento global", avalia o Fundo.

 

Novamente, o organismo enfatiza que mais estímulo fiscal é necessário nos países que possuem espaço em suas contas públicas. "O fato de que alguns países não podem fazer estímulo fiscal sem assistência externa faz com que seja mais importante que outros, incluindo algumas grandes economias emergentes, façam a parte deles", disse o Fundo, antecipando um tema que deve ser central nos debates na conferência da ONU, entre quarta e sexta-feira.

 

Sobre política monetária, o FMI diz que é preciso um plano adequado para saída do afrouxamento monetário e, em particular, dos instrumentos de flexibilização quantitativa. Uma redução cuidadosa da enorme expansão dos balanços patrimoniais de alguns bancos centrais em função da crise, observa o Fundo, deveria começar ao passo que o setor privado voltar a engrenar.

 

O FMI ainda enumera para as delegações da ONU seus "próprios esforços para responder rápida e eficientemente às necessidades de seus membros", observando que os financiamentos empenhados atingem "nível recorde" de mais de US$ 158 bilhões agora, em comparação com US$ 14 bilhões registrados no final de 2007.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.