Decretada a prisão do presidente da Vasp, Wagner Canhedo

O presidente da Vasp, Wagner Canhedo, teve a prisão decretada por 60 dias, prorrogável por mais 60 dias, pelo juiz David Rocha Lima de Magalhães e Silva, da 8ª. Vara das Execuções Fiscais da Justiça Federal em São Paulo, por ser ?depositário infiel?. A sentença é do último dia 2 e será publicada no Diário Oficial desta terça-feira. A prisão foi decretada em razão de três processos, que englobam dívidas de mais de R$ 100 milhões, entre elas uma com a Previdência Social de R$ 65 milhões. Segundo a denúncia, a Vasp descontou o valor dos funcionários mas não repassou ao INSS. No ano passado, o juiz Magalhães e Silva executou as dívidas e mandou Canhedo penhorar alguns bens. Entretanto, eles foram considerados inidôneos pelo juiz sob a alegação de que já estavam penhorados em outros processos. O juiz expediu então mandado de penhora no valor de 5% sobre o faturamento da Vasp. Canhedo não cumpriu a decisão judicial. Dia 16 de fevereiro desse ano, o juiz deu cinco dias de prazo para Canhedo se explicar, sob pena de ser considerado depositário infiel e ter prisão civil decretada. O juiz considerou insatisfatória as explicações e expediu o mandado de prisão.

Agencia Estado,

08 Março 2004 | 19h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.