Decretada falência da Petroforte

O juiz Luiz Beethoven Giffoni Ferreira, da 18ª Vara Cível de São Paulo, decretou hoje a falência da Petroforte Brasileiro Petróleo, estendendo os efeitos da quebra a todas empresas coligadas. A empresa é de propriedade de Ari Natalino da Silva, que está sendo investigado por adulteração de combustível, formação de quadrilha, sonegação fiscal e outros crimes. O juiz mandou lacrar as portas de todos os estabelecimentos da companhia no País, o que inclui uma distribuidora em Paulínia, no interior paulista.Natalino chegou a ser condenado a 4 anos e meio de prisão, por crime contra a ordem tributária, pelo juiz da 7ª Vara Federal, Ali Mazloum. O Tribunal Regional Federal em São Paulo, entretanto, anulou a sentença e o empresário foi libertado no dia 5 de setembro.A investigação sobre Natalino envolve o delegado federal Alexandre Morato Treniti, assessor do corregedor-geral da Polícia Federal em São Paulo. Ele chegou a ficar preso 10 dias por exigir R$ 500 mil para não prender o empresário, segundo grampos telefônicos autorizados pela Justiça Federal. O delegado foi libertado pelo juiz Mazloum, que alegou insuficiência de provas para decretar a prisão preventiva.As interceptações telefônicas levaram também à decretação da prisão preventiva de 10 policiais, todos acusados de envolvimento com o contrabandista Roberto Eleutério da Silva, o Lobão. Todos estão presos desde o dia 24 de setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.