?Defendo a mudança da política monetária", afirma vice de Lula

O vice-presidente da República, José Alencar, defendeu, de forma enfática, mudanças na política monetária praticada pelo Banco Central (BC). Sem citar o nome do presidente do BC, Henrique Meirelles, o vice disse que o governo federal deve assumir sua "responsabilidade" e enfrentar a questão "para valer". "Eu defendo a mudança da política monetária no Brasil e acho que nós temos que, obviamente, enfrentar isso para valer, porque a responsabilidade não se transfere. A responsabilidade perante a nação é do governo", afirmou Alencar, em entrevista concedida no seu apartamento, na zona sul da capital mineira, onde se recupera de uma cirurgia para retirada da vesícula biliar. Ele citou como exemplo o Federal Reserve ( o banco central norte-americano) para dizer que o objetivo da política monetária não deve ser somente o combate à inflação. "A política monetária tem de ser conduzida de tal forma a que se aproveite todas as potencialidades de desenvolvimento do País", disse. Ao ser perguntado sobre a pressão que o Ministério da Fazenda estaria sofrendo para que os rumos da política econômica sejam revistos, Alencar preferiu elogiar o ministro Antônio Palocci. "O Palocci é responsável por uma política correta do ponto de vista de responsabilidade orçamentária, ou melhor, da responsabilidade fiscal. Agora, o Banco Central é quem administra a política monetária". Alencar voltou a criticar com veemência as taxas de juros praticadas no País. "Isso não consulta o interesse nacional. Nós, no ano passado, pagamos, a grosso modo, 10% do PIB de juros e 27% de toda a receita bruta da União, dos Estados e dos municípios", reclamou.

Agencia Estado,

11 Março 2004 | 14h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.