Defesa de Meirelles quer apurar vazamento de informações

Os advogados do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, apresentarão na próxima semana à Corregedoria Geral do Ministério Público uma representação pedindo uma investigação sobre o vazamento de documentos pessoais do presidente do BC, Henrique Meirelles. De acordo com o advogado Claudio Fruet, durante a tramitação do processo administrativo no Ministério Público ocorreram vazamentos do testamento do presidente do BC e de outros documentos, como a declaração de renda e a evolução patrimonial de Meirelles.Fruet afirmou que a defesa de Meirelles, durante inquérito a ser conduzido pelo Ministério Público com base em autorização do STF, ficará atenta para que não ocorram novos vazamentos. "Se ocorrerem novos vazamentos, nós apresentaremos novos pedidos de investigação", disse Fruet. O advogado qualificou os vazamentos já ocorridos de "irresponsáveis e inconseqüentes".Sobre a decisão do ministro do STF, Marco Aurélio Mello, os advogados de Meirelles, Roberto Pasqualin e Claudio Fruet consideraram o despacho "muito equilibrado". De acordo com Pasqualin, a decisão de Marco Aurélio inicia uma etapa necessária no processo de esclarecimento de todas as suspeitas que pesam sobre o presidente do BC. O advogado Pasqualin chegou a afirmar que Meirelles não cometeu crime de evasão de divisas. "Não houve evasão de divisas."Os advogados de Meirelles aguardam agora que todo o inquérito seja conduzido "sob o manto do sigilo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.