Déficit argentino com Brasil cresce e atinge US$ 350 milhões

Nas relações comerciais com o Brasil, o déficit argentino não pára de crescer. Pelo 34º mês consecutivo, o país registrou uma balança comercial negativa com seu principal parceiro do Mercosul. Segundo a consultoria Abeceb.com, A Argentina teve um rombo de US$ 350 milhões em março, o equivalente a um aumento de 4,8% em relação ao mesmo mês do ano passado. A perda foi resultado de US$ 613 milhões em exportações argentinas ao mercado brasileiro, e de US$ 963 milhões em vendas de produtos Made in Brazil para o mercado argentino. As vendas para o Brasil registraram um aumento de 29% em comparação com março de 2005, enquanto que a as vendas brasileiras para a Argentina aumentaram 14%. A notícia preocupa o governo do presidente Néstor Kirchner, já que os produtos argentinos não conseguem tirar vantagem do câmbio (a cotação do dólar é de 3 pesos), que supostamente lhe proporcionaria maior competitividade perante as importações brasileiras. Incapacidade Segundo a Abeceb.com, a explicação para o fenômeno consiste na incapacidade argentina de imitar a estratégia de diversificação brasileira. De quebra, a recuperação econômica do país - que nos últimos três anos acumulou quase 30% de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) - requereu um crescente volume de produtos Made in Brazil, que substituíram mercadorias importadas de outros países. "Desde a desvalorização começamos a comprar produtos que antes adquiríamos de outras origens, já que o Brasil proporciona bons preços e é um produtor eficiente", sustentou o diretor da Abeceb.com, o ex-Secretário de Indústria Dante Sica. No primeiro trimestre deste ano o déficit argentino chegou a US$ 859 milhões, o equivalente a um aumento de 32,2% em relação ao mesmo período de 2005. Produtos Entre os produtos mais vendidos pelo Brasil ao mercado argentino estão os automóveis, autopeças, motores para carros, telefones celulares e produtos plásticos. Na relação Argentina-Brasil estão também as autopeças, além de produtos petroquímicos e trigo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.