Déficit comercial argentino com Brasil é o maior em dois anos

O déficit comercial da Argentina com o Brasil no primeiro semestre, resultante das relações comerciais entre os dois países, foi o maior dos últimos dois anos. Segundo dados divulgados nesta terça-feira pela empresa de consultoria argentina Abeceb.com, o rombo chegou a US$ 1,830 bilhão, resultado 17% maior que o registrado no mesmo período do ano passado. Com a cifra, já são 37 meses consecutivos de resultados negativos no comércio. Positivamente, a empresa acrescentou que o nível médio mensal de déficit argentino nos primeiros seis meses deste ano foi de US$ 305 milhões, 0,3% inferior ao total de 2005 (US$ 306 milhões).O estudo assinala que entre janeiro e junho passados a Argentina importou produtos brasileiros no valor de US$ 5,309 bilhões, 16,7% a mais que no mesmo período do ano anterior. Por sua vez, as compras brasileiras de produtos argentinos somaram US$ 3,479 bilhões no período, 16,6% a mais que em igual período de 2005.Junho Em junho, as vendas argentinas ao Brasil somaram US$ 631 milhões, 18,6% a mais que as do mesmo mês de 2005, mas 0,9% abaixo das de maio de 2006. O valor das importações do Brasil foi de US$ 958 milhões no mês, o que significa um aumento de 11,1% em relação ao mesmo período do ano passado e uma queda de 2,3% frente a maio de 2006.A empresa de consultoria assinalou que os setores que impulsionaram as vendas argentinas ao Brasil nos últimos 12 meses foram o petroquímico e o automobilístico, que explicam 40 e 36%, respectivamente, do aumento das exportações totais deste país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.