Déficit comercial da Índia cai em agosto

O déficit na balança comercial da Índia diminuiu significativamente em agosto, ao cair para US$ 10,9 bilhões, de US$ 14,17 bilhões no mesmo mês do ano passado, informou Anup Pujari, diretor-geral de Comércio Exterior do país. Em julho deste ano, o déficit era de US$ 12,27 bilhões.

AE, Agencia Estado

10 de setembro de 2013 | 09h56

A moeda local da Índia, a rupia, atingiu níveis historicamente baixos nas últimas semanas por conta das preocupações com as transações externas. A moeda depreciou 16% em relação ao dólar desde maio.

Uma demanda menor por ouro ajudou a reduzir as importações, ao mesmo tempo que os esforços do governo para incentivar os exportadores a alcançarem novos mercados resultou em mais vendas para o mercado internacional.

As compras de ouro em agosto somaram US$ 650 milhões, bem abaixo das compras de US$ 2,20 bilhões registradas em julho. O governo aumentou o imposto sobre a commodity no mês, enquanto o banco central endureceu as regras para reduzir as compras especulativas.

O ministro do Comércio da Índia, Anand Sharma, disse que a demanda por produtos indianos em novos mercados na África, na América do Sul e na Ásia ajudou as exportações do país. "Sinais de estabilidade na economia europeia e sinais positivos no crescimento da América devem acelerar a demanda por bens indianos", afirmou. O ministro ainda disse que o governo planeja medidas para conter a importação de commodities não-essenciais e acelerar as exportações de minério de ferro.

O déficit na balança comercial é uma das principais preocupações das autoridades indianas. A conta negativa no comércio internacional tem elevado o déficit em conta corrente da Índia e aumentado as preocupações com a possibilidade de o país encontrar dificuldades em se financiar caso o banco central dos EUA, o Federal Reserve, comece a reduzir as compras mensais de títulos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiacomércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.