Déficit comercial de eletroeletrônicos recua 12% até abril

O déficit da balança comercial do setor eletroeletrônico recuou 12% nos primeiros quatro meses de 2005 ante o mesmo período do ano passado, para US$ 1,89 bilhão. Entre janeiro e abril, o setor exportou US$ 2,4 bilhões (crescimento de 61,1% em relação ao mesmo período de 2004) e importou US$ 4,3 bilhões (alta de 17,7% na mesma base de comparação).Segundo dados consolidados da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), as vendas externas de abril foram recorde para o setor, em US$ 699,6 milhões. O recorde anterior havia sido batido em março, quando as exportações ficaram em US$ 698 milhões.Nos quatro primeiros meses do ano, o segmento de telecomunicações teve o maior peso nas exportações do setor, responsável por US$ 867,5 milhões, e com a maior taxa de crescimento (216,4% sobre o mesmo período do ano passado). Desse montante, 83% (US$ 718 milhões) correspondem a telefones celulares. A Abinee destacou que as vendas externas de celulares alcançaram em quatro meses praticamente todo o montante vendido em 2004 (US$ 736 milhões).Em seguida, vieram as exportações de componentes elétricos e eletrônicos, com vendas de US$ 735,0 milhões, com destaque para motocompressor hermético (US$ 204 milhões), itens de eletrônica embarcada (US$ 164 milhões) e componentes para equipamentos industriais (US$ 120 milhões).Na ponta importadora, a maior taxa de crescimento no quadrimestre foi registrada no segmento de utilidades domésticas (37,1%), sobretudo por conta das importações de aparelhos de som e vídeo. Mas os semicondutores (alta de 22%) continuam a liderar as compras, com US$ 855 milhões. Nesse segmento, os destaques são os circuitos integrados monolíticos (US$ 110 milhões) e os microcontroladores (US$ 107 milhões).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.