Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Déficit comercial dos EUA aumenta 18,2% em setembro

O déficit comercial dos Estados Unidos cresceu em setembro a uma taxa inesperadamente alta de 18,2 por cento, a maior em mais de 10 anos, pressionado pela alta do petróleo pelo sétimo mês seguido e pelo aumento das importações da China, mostrou um relatório do governo norte-americano nesta sexta-feira.

REUTERS

13 de novembro de 2009 | 11h48

O déficit comercial mensal cresceu para 36,5 bilhões de dólares, ante dado revisado de 30,8 bilhões de dólares em agosto. Analistas de Wall Street esperavam que o saldo negativo aumentasse para cerca de 31,65 bilhões de dólares.

Tanto as exportações quanto as importações tiveram o melhor mês desde dezembro de 2008. Mas em um sinal de melhora da atividade econômica, as importações cresceram 5,8 por cento em setembro, maior alta mensal desde março de 1993, e as exportações subiram 2,9 por cento.

(Reportagem de Doug Palmer)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUABALANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.