R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Déficit comercial dos EUA diminui e confiança melhora

O humor dos consumidores norte-americanos mostrou-se menos sombrio em março, segundo pesquisa divulgada nesta sexta-feira, enquanto o déficit comercial do país diminuiu em janeiro para o menor nível em mais de seis anos.

BURTON FRIERSON E DOUG PALMER, REUTERS

13 de março de 2009 | 13h11

Apesar da melhora, os dados não refletem uma situação econômica robusta. O menor déficit comercial se deu porque as importações caíram, diante da demanda doméstica fraca. Da mesma forma, a confiança do consumidor continua anêmica no geral e perto da mínima histórica.

O índice de confiança do consumidor da Reuters/Universidade de Michigan subiu para 56,6 na leitura preliminar de março, ante 56,3 em fevereiro. Economistas esperavam queda para 55,0.

A melhora se deu com um aumento da confiança na política econômica do governo, embora muitos consumidores estejam céticos de que Washington possa melhorar as condições financeiras.

A pesquisa de consumidores mostrou que os que acreditam que o governo de Barack Obama está fazendo um bom trabalho subiu para 23 por cento, ante 14 por cento em fevereiro e apenas 7 por cento em janeiro.

Os sinais inflacionários foram mistos. As expectativas de inflação para um ano subiram a 2,2 por cento em março, frente a 1,9 por cento em fevereiro, enquanto as de cinco anos caíram para 2,8 por cento, ante 3,1 por cento antes.

O déficit comercial caiu 9,7 por cento, para 36 bilhões de dólares, ante expectativa de Wall Street de 38 bilhões de dólares. Foi o sexto recuo consecutivo.

"A queda reflete o declínio da economia. Os consumidores norte-americanos estão se retraindo e isso está gerando menos importações, enquanto as exportações estão caindo", disse Mark Zandi, economista-chefe da Moody's Economy.com. "Isso reflete o quão ruim está a economia."

As exportações de bens e serviços recuaram 5,7 por cento em relação a dezembro e as importações caíram 6,7 por cento.

Outro relatório mostrou que os preços de importados cederam menos que o esperado em fevereiro, em 0,2 por cento, à medida que os custos do petróleo subiram pela primeira vez desde julho.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUACONSOLIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.