Déficit comercial dos EUA em dezembro é o menor em 6 anos

Recuo foi de 4% para US$ 39,93 bi em dezembro, ante saldo negativo revisado de US$ 41,58 bi em novembro

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

11 de fevereiro de 2009 | 11h41

O déficit comercial dos EUA caiu para o menor nível em quase seis anos em dezembro, em meio ao declínio dos preços do petróleo e redução das compras internacionais de artigos como alimentos, carros e calçados. O déficit comercial recuou 4,0% para US$ 39,93 bilhões em dezembro, ante saldo negativo revisado de US$ 41,58 bilhões em novembro, informou o Departamento do Comércio. Originalmente, o déficit de novembro era estimado em US$ 40,44 bilhões.   Veja também: Reino Unido está em 'profunda recessão', diz BC inglês Reino Unido tem maior desemprego em 9 anos Entenda o novo plano dos EUA para resgatar bancos De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise   O saldo negativo de dezembro foi maior que o déficit de US$ 35,0 bilhões previsto por economistas, mas é o menor desde fevereiro de 2003, quando o déficit foi de US$ 39,7 bilhões. As exportações dos EUA caíram 6,0% em dezembro, para US$ 133,8 bilhões. As importações declinaram 5,5%, para US$ 173,73 bilhões. As informações são da Dow Jones.   O déficit comercial dos EUA com a China caiu para US$ 19,88 bilhões em dezembro em relação ao déficit de US$ 23,06 bilhões em novembro. Com o Japão, o déficit comercial subiu para US$ 5,27 bilhões em dezembro, de US$ 4,97 bilhões em novembro. O déficit comercial com o Brasil quase dobrou, para US$ 646 milhões em dezembro, de US$ 326 milhões em novembro.   O déficit comercial dos EUA com a zona do euro cresceu para US$ 5,67 bilhões em dezembro, de US$ 4,40 bilhões em novembro. O déficit dos EUA com o Canadá caiu para US$ 2,79 bilhões em relação a US$ 3,38 bilhões em novembro; com o México, o déficit comercial subiu para US$ 4,08 bilhões, de US$ 3,52 bilhões em novembro. As informações são da Dow Jones.   Texto ampliado às 11h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.