Déficit comercial no Reino Unido fica estável em julho

O déficit comercial do Reino Unido ficou estável em julho em relação a junho, mas as exportações e as importações registraram os maiores aumentos desde janeiro de 2008, em um sinal de que a economia global está se recuperando. O déficit global de bens do Reino Unido foi de 6,5 bilhões de libras (US$ 10,7 bilhões) em julho, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas. O mercado esperava um déficit de 6,3 bilhões de libras, de acordo com uma pesquisa da agência Dow Jones.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

09 de setembro de 2009 | 11h00

A recuperação em economias importantes da União Europeia foi um guia para a melhora das exportações britânicas. As vendas de bens para a França e a Alemanha, por exemplo, cresceram quase 700 milhões de libras em julho em comparação com junho e representaram mais de dois terços do aumento total de 913 milhões de libras nas exportações do Reino Unido.

O valor das exportações aumentou 5% em julho ante junho, a maior alta desde janeiro de 2008. Excluindo petróleo, as exportações tiveram crescimento de 4,5%, o mais forte em um ano. As importações aumentaram 3,5% em julho ante junho, também o maior aumento desde janeiro do ano passado. As maiores importações de bens de capital e produtos semimanufaturados lideraram o crescimento.

No entanto, nos três meses encerrados em julho, as exportações ficaram 16,2% menores em relação ao mesmo período do ano passado, enquanto as importações foram 17,2% mais baixas na mesma comparação. Excluindo petróleo e itens irregulares, o déficit global no comércio de bens do Reino Unido foi de 5,5 bilhões de libras em julho, o menor desde março de 2006. O déficit com países de fora da União Europeia aumentou para 3,9 bilhões de libras em julho, de 3,7 bilhões de libras em junho. Já o déficit com países do bloco europeu diminuiu para 2,6 bilhões de libras, de 2,8 bilhões de libras em junho. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino Unidodéficit comercial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.