Déficit da previdência bate terceiro recorde seguido

Pelo terceiro mês consecutivo, o déficit da Previdência Social bateu um recorde histórico. Em julho a diferença entre arrecadação líquida e a despesa com pagamento de benefícios foi negativa em R$ 2,405 bilhões, 54,6% a mais em termos reais do que o rombo verificado em julho de 2002. No ano, as contas do INSS estão no vermelho em R$ 11,989 bilhões, 22,6% a mais do que no ano passado.Mesmo com este rombo nas contas, o ministro da Previdência Social, Ricardo Berzoini, não admite o déficit. ?Não é necessariamente um déficit porque não é só a contribuição sobre a folha de pagamentos que entra no financiamento da seguridade?, disse. Ele afirmou quase R$ 9 bilhões do déficit vem do pagamento da aposentadoria rural, que tem pequena contribuição. Para ele, ?é o maior programa de distribuição de renda do País?. O ministro garante que não há perspectiva de crescimento explosivo do déficit. Berzoini afirmou que a causa principal do rombo é a retração do mercado de trabalho. Do ano passado para cá houve queda de 13% na renda dos trabalhadores e aumento da taxa de desemprego. Apesar disso o ministro disse que a perda de arrecadação foi inferior à da retração da massa salarial. De janeiro a julho deste ano a arrecadação líquida do INSS foi de R$ 42,472 bilhões, 6% a menos em termos reais do que a arrecadação no mesmo período de 2002 e que somou R$ 45,204 bilhões. Nos primeiros sete meses de 2003 a despesa com benefícios, em termos reais, também apresentou pequeno decréscimo de 0,9%, caindo de R$ 54,980 bilhões em 2002 para R$ 54,461 bilhões este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.