Déficit da Previdência fica estável em R$ 1,3 bilhão

A Previdência Social vem conseguindo manter o alto déficit no mesmo nível há dois meses. A manutenção desse resultado é o bom desempenho da arrecadação que, de julho para agosto, cresceu R$ 30 milhões. Com a arrecadação batendo em R$ 5,795 bilhões em agosto, o gasto com o pagamento de benefícios ficou com um débito de R$ 1,311 bilhão no mês. Em julho o déficit foi de R$ 1,314 bilhão para uma arrecadação de R$ 5,765 bilhões. No acumulado do ano, no entanto o saldo em vermelho a ser coberto pelo Tesouro Nacional já bate em R$ 9,497 bilhões.No mesmo período do ano passado a diferença entre o que o INSS arrecadou dos contribuintes e o que pagou de benefício aos aposentados foi negativa em R$ 6,628 bilhões. O INSS fechou 2001 com um déficit de R$ 12,8 bilhões. A estimativa para este ano é de um resultado negativo de R$ 17 bilhões.A arrecadação líquida da Previdência Social já soma este ano R$ 43,18 bilhões, 11,5% a mais do que os valores registrados nos primeiros oito meses de 2001. Quando descontada a inflação do período pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), o resultado fica 1,9% acima do total arrecadado entre janeiro a agosto do ano passado.Do lado da despesa, a previdência gastou, no último mês de agosto, R$ 7,11 bilhões. Em agosto do ano passado a despesa com o pagamento de benefícios foi de R$ 6,43 bilhões. A elevação da despesa de um ano para o outro se deve ao aumento do salário mínimo, de R$ 180,00 para R$ 200,00 e ao reajuste de 9,3% nas aposentadorias e pensões acima do piso salarial do País. Também contribuiu para o aumento da despesa o incremento de 300 mil novos benefícios a cada mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.